Desabafo da terra

É ela que me chama que me faz deixar as alpercatas e senti-la.

Ouço seu grito de dor, ouço seu apelo.

Mostra-me suas queimaduras, e as cicatrizes incuráveis que carregas… São milhares.

Dou um passo à direita, e é como se eu lhe acariciasse.

As nuvens se formam, e começa a chover.

As águas que correm sobre ela mais parecem lagrimas de desabafo.

Tentei conforta-la, mas foi inútil, sua amplitude não me permite fazer isso sozinha.

Mas preciso ajudá-la. A ela que tanto nos deu e nos dá.

E o sol brilha agora e nos aquece… Deito-me sobre ela e ouço um murmuro que a princípio não compreendo, mas agora é mais forte e claro.

Ajudem-me a sobreviver! Ajudem-me a sobreviver!

Eu pertenço a você que me trata bem, que cuida de mim ao mesmo tempo em que eu cuido de você…

Não deixem que me tirem de vocês mais ainda… Terra é de quem cuida…

Não deixem que me maltratem mais ainda…

Terra é de quem cuida…

Não deixem! Não deixem!

É ela mesma que nos pede ajuda.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.


*